Você já leu o Cujo?

Hey, olá novamente. Hoje vim falar sobre um livro que eu li nos últimos dias: Cujo. Um livro de 1986 do escritor norte-americano Stephen King, conhecido também como o rei do terror!

O livro conta a história de um cachorro da raça: São Bernardo, que vive em uma fazenda isolada na cidade de Castle Rock, no Maine. Lá moram a família Camber, Joe o chefe da família, transformou o celeiro em uma espécie de oficina para carros. Cujo, o cachorro, sempre foi muito animado e amigável com todos que ali passavam para ter seu veículo arrumado.

Enquanto isso, a família Trentons – Vic, Donna e o pequeno Tad – vivem felizes, até que Vic é obrigado a fazer uma viagem de negócios, porém nessa mesma época, ele descobre que sua esposa está tendo um caso amoroso com um homem mais novo da cidade, ele fica arrasado e decide viajar de uma vez e lá pensar no que irá fazer após isso, se irá perdoar sua esposa ou pedir o divórcio.

A fazenda tem um longo campo, em vista disso, Cujo sempre se divertiu muito por lá, já que poderia correr até se cansasse. Em um certo dia, ele encontrou um coelho em seu território e decidiu que queria pega-lo. No desespero da corrida, o coelho se jogou em um buraco em que o cachorro não iria conseguir pega-lo, quando Cujo colocou o focinho nele, acabou sendo mordido por vários morcegos que ali viviam. Com a tamanha dor da mordida, ele saiu do lugar chorando e desistiu de pegar o tal coelho.

Com o passar dos dias, Cujo começou a se sentir muito estranho, pois não tinha mais vontade de beber, mesmo estando com muita sede, nem mesmo de comer. Apenas queria ficar no escuro e no silêncio, pois sua cabeça não parava de doer.

A família Camber, nada desconfiou do seu cachorro, pois acharam que ele apenas estivesse com alguma dor de barriga ou coisa do tipo. Após ganhar um dinheiro na loteria, Charity convence o marido a deixar ela levar o filho deles pra Connecticut, para assim fazer uma visita à irmã Holly, em troca, ela dará todo o dinheiro que ganhou na loteria, ele logo aceita.

Uns dias após o marido ir viajar, Donna percebe que seu carro está dando alguns problemas – ele acaba perdendo toda a força e desliga completamente, deixando ela de mãos abanando – e resolve levar ele para o mecânico, ela decide levar o carro para a fazenda de Joe Camber, já que faz o serviço rápido e barato. Antes de ir, ela resolve preparar um lanche, pois levará seu filho de dois anos com ela. O carro aguenta todo o caminho sem dar defeito, porém, quando chega na entrada da fazenda de Joe, ele simplesmente para.

Vendo que está presa na fazenda, ela decide chamar Joe, para arrumar seu carro o mais rápido possível, mas ela não encontra ninguém em casa, apenas Cujo que agora está em estágio avançado da raiva que pegou das mordidas dos morcegos, ele não sabe quem são as pessoas que chegaram, mas sabe que a dor que está sentindo é por culpa delas e fará de tudo para as dores sumirem, mesmo que tenha que matar aquelas pessoas más!

Esse livro é sensacional, ele é um daqueles livros que te prende do início ao fim, você simplesmente não consegue parar de lê-lo, você precisa saber o que irá acontecer com a mãe, o filho e até mesmo com o Cujo. O livro tem seus momentos engraçados, animados e aterrorizantes sempre em medidas certeiras que deixam o leitor entretido.

Stephen King, apresenta todos os personagens aos pouco e muito bem, você realmente imagina como eles são e até se sente amigo deles e se preocupa com eles, com o passar dos acontecimentos, você fica com o coração na boca, por não saber o que irá acontecer a seguir.

Para todos aqueles que gostam de uma bela história de terror, Cujo deve ser lido. E para todos aqueles que gostam das histórias e do modo como Stephen escreve e conta suas histórias, Cujo deve ser lido. Para todos aqueles que gostam de um bom livro, Cujo deve ser lido.

Nos últimos meses, a editora Suma, decidiu relançar alguns livros de King em capa dura e em novas edições, Cujo foi o segundo da lista a ser relançado. Sua nova capa é simplesmente maravilhosa, em alto relevo e com cores completamente fortes.